670f16cd9c0efd3fd86f968480ce0ee0Tomar remédioàs vezes parece mais difícil do que sugerem as ordens médicas. Podemos ou não podemos, por exemplo, ingerir o dito cujo em jejum? E eu posso cortar as drágeas e comprimidos para engoli-las com mais facilidade? Pois bem: a essas e a outras das principais dúvidas que as pessoas têm sobre esse assunto veja as respostas a seguir:

 

1. Posso cortar drágeas e comprimidos ao meio?
Melhor não. Nada garante que as duas metades ficarão iguais. Isso só está liberado para aqueles comprimidos que possuem um sulco no meio. A prática, porém, deve ser orientada pelo médico.

 

2. E abrir cápsulas?
De jeito nenhum! A capinha serve para evitar que a droga seja atacada pelo suco gástrico. Se você tem dificuldades de deglutir, veja se não há outras apresentações do mesmo princípio ativo.

 

3. Com que líquido devo engolir?
O bom e velho copo d’água é, de longe, o mais indicado. Existem compostos que são sensíveis à acidez da laranjada ou do leite e acabam se deteriorando prematuramente.

 

4. Posso engolir a seco, sem nenhum líquido?
Por mais que algumas pessoas tenham facilidade, não é muito indicado fazer isso. Há o risco de o comprimido grudar no esôfago e provocar uma grave irritação na parede desse tubo.

 

5. Beber álcool corta o efeito?
Álcool e remédios podem levar a uma sobrecarga do fígado quando consumidos em conjunto. Além disso, alguns fármacos têm seus efeitos potencializados ou neutralizados pelos drinques.

 

6. Devo tomar em jejum ou de barriga cheia?
A recomendação está escrita na bula. Certos medicamentos precisam do estômago vazio para funcionarem, enquanto outros causam até gastrite se não houver um alimento junto.

 

7. E se eu tomar fora de hora?
O ideal é sempre respeitar o tempo prescrito. Se você esquecer, tome assim que lembrar. Caso tenham se passado muitas horas, comece a contar um novo intervalo a partir dali.

 

Fontes: Site MSN, Moacyr Luiz Aizenstein, Farmacêutico, Professor Sênior do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo; Eurico Correia, Diretor Médico da Pfizer Basil; Amouni Mourad, Assessora Técnica do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo.